Adeus

Oi, gente!

Perdi a senha (e o email cadastrado) aqui do blog, só tá logado no meu celular velho e vou deixar de usá-lo.

Sintam-se à vontade para mandar emails com perguntas (carolmefe@hotmail.com) ou mensagens nas minhas redes sociais!

Beijos

Curiosidades – universidade nos EUA

A pergunta que mais me fazem é: tu consegue entender tudo que o professor fala? Não. não entendo 100% do que eles falam, mas diria que comecei o semestre entendendo 75% e agora já entendo 90% do que é dito em sala de aula. Por causa desse não entendimento, perdi 3 tarefas importantes e tive que me virar pra conseguir pontos extras.

Outra curiosidade é sobre os alunos/colegas de classe. Como aqui a gente não cursa bloco fechado, pago matéria com várias pessoas diferentes. Algumas, só tenho uma aula em comum, então fica difícil estabelecer um relação de amizade com uma pessoa que você vê uma vez na semana. Além disso, as turmas tem uns 50 alunos, o que dificulta o entrosamento. Na minha aula de inglês, com uma turma bem menor, a gente consegue se relacionar melhor. Me perguntam também sobre amigos americanos, se eu falo muito com eles, se são diferentes dos internacionais. A verdade é que acho que não tem muita diferença, mas não sei por qual motivo não me aproximei muito deles ainda. Coincidentemente, sentei perto de uma menina do Vietnam e viramos amigas. Numa aula não falo com ninguém e percebo que muitas pessoas dessa minha aula não se relacionam também.

Aluno é aluno em qualquer lugar, então sempre vai ter aquele que pesca, aquele que dorme, um outro que conversa demais… é a mesma coisa aqui. Eu acho que aqui a relação aluno-professor tem uma distância maior, apesar de achá-los bem mais prestativos do que os que tive na faculdade no Brasil. Eles têm horários designados apenas para ajudar alunos e isso é muito bom. Mesmo assim, acho que os alunos aqui não se importam muito com o professor. Tenho uma aula às 8h da manhã que muuuuita gente dorme, outras ficam com fone de ouvido ouvindo música (mesmo o professor explicando no plano de curso que é proibido o uso do celular), outras assistem vídeo na maior cara de pau e não colocam fone e uma mínima parcela presta atenção de verdade. Eu sento bem na frente e ficava me perguntando porquê o professor dava aula olhando só pra mim e pra umas duas ou três pessoas do lado, aí um dia desses eu olhei pra trás e vi o que acabei de descrever.

Uma diferença aqui são as tarefas de casa. Sim, temos muita! E não é coisa de ensino médio ou infantil. Independente do seu ano na faculdade você vai ter sempre tarefa. Umas matérias têm mais que as outras, mas todas tem. E tudo vale ponto pra sua nota final. Aqui você não faz só 4 provas, faz a média e pronto, tem sua nota. A gente faz tarefa de casa, quiz (mini provas) e provas. Apesar de não estar acostumada com isso eu acho que é muito bom, assim a gente não vicia em estudar só em época de provas. Além disso, tem matérias que só tem duas provas, outras que tem quatro + final, outras que tem quatro mas não exigem final, então tá sempre tendo prova de alguma matéria.

Minha universidade promove vários eventos e workshops pra ajudar tanto a fazer amizades quanto entrar no espírito acadêmico. Acho legal, mas não gosto de forçar amizade. hahaha

Como ingressar na universidade nos EUA.

Há tempos queria fazer esse post, mas fiquei enrolando. Muita gente tá me perguntando sobre universidade então decidi colocá-lo no ar. Vou dar uma ideia geral de como fazer pra ingressar na universidade aqui, mas algumas delas tem pré requisitos que outras não tem então é sempre bom checar o site da universidade que você queira. O bom daqui é que eles disponibilizam todas as informações nos seus sites e ajuda muito! Praticamente todas as universidades aqui requerem uma prova chamada SAT. Bom, o SAT é o exame que as universidades americanas usam para avaliar o desempenho de cada estudante para aceitá-lo ou não como universitário. É parecido com o ENEM aí do Brasil. Primeiro nos increvemos para a prova e podemos escolher até 4 faculdades para eles enviarem os seus resultados (scores), depois fazemos a inscrição na universidade que queremos (site da universidade) e eles analisam os scores do SAT, do TOEFL (prova apenas de inglês para estrangeiros que não têm inglês como língua primária),o desempenho escolar, carta de recomendação, essas coisas. Têm dois tipos de SAT: o geral e o subject. O geral contém uma redação e 6 sessões para serem resolvidas em 25 minutos cada, 2 sessões de 20 minutos cada e uma sessão de apenas 10 minutos. Ou seja, assim como o TOEFL, o maior desafio do SAT é o tempo. As questões não são muito difícieis, mas lembre-se que  na maioria das vezes você vai ter menos de 2 minutos pra cada. Então minha dica é: quando for estudar para o TOEFL e para o SAT é muito importante que você faça isso de acordo com o tempo que você vai ter no dia da prova, ou seja, cronometre o tempo. O SAT subject testa o conhecimento específico de alguma matéria, a minha universidade não pedia, então não fiz e não sei muito a respeito. Me preparei para a prova do SAT com um livro chamado The official SAT study guide, se não me engano é o que eles recomendam no site. Não foi caro, foi uns $30 na época (quase dois anos atrás). No site eles também disponibilizam algumas questões, mas não são muitas, então é melhor comprar o material mesmo. Pro TOEFL só treinei com material grátis do próprio site, não me preparei muito pra falar a verdade, então meu score não foi lá essas coisas, mas deu pra ser aceita. hahaha Tanto o TOEFL quanto o SAT podem ser feitos no Brasil, parece óbvio mas muita gente não sabe. Entrei em contato com o meu colégio pedindo pra traduzirem o meu histórico e eles se encarregaram disso, não fui eu que fiz nada, mas se não me engano a secretaria de educação da minha cidade que ficou responsável por fazer isso. Quando os documentos ficaram prontos, pedi pra colocarem no envelope da escola, selado e tudo, mas quem enviou pra universidade foi minha mãe e não o colégio. Nunca vi esses documentos, foram direto pra universidade. Lá, alunos internacionais são muito bem recebidos e eles estimulam esse mix de estrangeiros com nativos. Não precisei de carta de recomendação. Precisei do extrato bancário de quem ia pagar minha faculdade (no caso a mamãe) tanto pra ser aceita quanto pra eles emitirem o I20 (tive que enviar duas vezes). Infelizmente, o valor da tuition para estudantes internacionais é bem mais cara do que para americanos. Algumas universidades não aceitam que o pagamento seja dividido, ou seja, tem que pagar o ano todo de uma vez. Outras, como a minha, deixam você mais a vontade pra pagar. O pagamento pode ser feito também por semestre ou em 3 prestações em cada semestre. Como falei antes, isso depende. Alunos internacionais geralmente não conseguem bolsas e devem provar que tem dinheiro pra pagar pelo menos o primeiro ano de faculdade. Com o nosso visto, podemos trabalhar até 20h na universidade (além de estudar, claro) no primeiro ano e a partir do segundo ano podemos pedir uma permissão pra fazer estágio fora do campus. No meu primeiro ano optei por só estudar, me acostumar com a rotina de estudos e aprimorar bem o inglês. Porém, penso sim em fazer estágio a partir do próximo ano. Espero ter respondido algumas dúvidas, qualquer coisa é só perguntar que tô sempre aqui. :)

Aí que eu tenho uma matéria chamada “inglês para fins acadêmicos” e a professora pede pra gente escrever diariamente como foi nosso dia ou que estamos sentindo. Outro dia escrevi isso… Pequenas coisas são o bastante pra felicidade. Acho que de vez em quando vou postar o que escrevo para essa matéria. Dá ideia de como é o dia a dia, aulas e tal e sobre como me sinto. P;s: ainda estou aprendendo a escrever direito, então relevem qualquer erro. hahaha

My day was great, since the first hour until the last one. My brother sent me a message and said he would spend the whole morning with my mom, so if I wanted to do Facetime it was a good time to do it. Usually, I talk with her every two days, but because my schedule and differences in the time zone I couldn’t talk to her for four days. In Brazil, precisely in my city, we are very close to our family. I talk to them every day, but since my mom doesn’t have a smartphone nor know how to use it we depend on someone else to talk. The next good thing that happened during my day was my Intro to Business class, because we had a quiz and I did very well. Today UMSL offered a work shop to talk about time management and I decided to attend because it can help me a lot. I’m not behind any assignment, but improvement is always good. My last class was Calculus; my professor is really nice so we almost forget that his subject can be difficult. I’m always so thankful for all the opportunities I’m having so far. One day I expect to give it back all the investment my parents are making in me, since when I was a little girl. 

Meu dia foi ótimo, desde a primeira hora até a última. Meu irmão mandou uma mensagem dizendo que iria passar a manhã inteira com a minha mãe, então se eu quisesse fazer Facetime era um bom momento. Geralmente, eu falo com ela a cada dois dias, mas devido aos meus horários na faculda e as diferenças de fuso não pude falar com ela durante quatro dias. Na minha cidade somos muito apegado a nossa família. Eu converso com eles todos os dias, mas já que a  mamãe não tem um smartphone nem sabe como usá-lo, nós dependemos de alguém para conversar. A próxima coisa boa que aconteceu durante o meu dia foi minha aula de introdução à admnistração, porque tivemos um teste e eu gostei muito. Hoje a universidade ofereceu uma oficina para falar sobre gestão de tempo e eu decidi participar porque é muito útil para mim. Eu não estou atrasada nas tarefas, mas melhorar é sempre bom. A minha última aula foi Cálculo; meu professor é tão bom que quase esquecemos que o assunto pode ser difícil. Sou sempre muito grata por todas as oportunidades que tive e estou tendo. Um dia espero devolver todo o investimento que meus pais estão fazendo em mim, desde pequena.

Universidade nos EUA – dúvidas

Uma prima querendo saber das novidades por aqui me fez várias perguntas sobre a universidade, decidi transformar nossa conversa em post, assim posso ajudar a matar a curiosidade de outros também, né? hahaha

As primeiras coisas que ela perguntou foram se os colegas de turma eram legais, se eu sofria bullying e se tinha muito estrangeiro na sala. Bom, o povo é super gente boa, mas eu não estou amiga de ninguém. Aliás, nem sei como alguém consegue fazer amizade em uma semana. Inclusive tenho uma aula que ajuda na transição colégio-faculdade em que o instrutor falou que se você não ficou próximo de ninguém na primeira semana o seu semestre vai ser ruim. Eu não acredito muito nisso… Não sofro bullying e eu juro que tinha medo disso. Ainda tá muito no comecinho das aulas, mas acho que não vou ter esse tipo de problema. Tem muitos estrangeiros na universidade, mas na maioria das aulas predomina americanos. A exceção é na aula de inglês, que os americanos não precisam e por isso a turma é formada apenas com estudantes de outros países.

Outra coisa que falamos foi sobre o horário das aulas, se eu passava o dia na universidade, se tinha aula todo dia, essas coisas. Tenho aula todos os dias, mas aqui não é bloco fechado, o sistema é por crédito. Você que escolhe quais matérias quer cursar, mas tem algumas obrigatórias no curso, claro. Como nesse primeiro semestre a gente não tem muita noção das coisas nossos orientadores que escolhem o que vamos cursar. Caso tenha alguma matéria que você não queira você pode tirar ela do seu horário ou trocar por outra. Muita gente passa o dia todo na universidade, mas eu não (pelo menos por enquanto). Os intervalos entre uma aula e outra são bem grandes, então vou pra casa. Só dia de quarta feira que tenho mais aulas e fico até 14h lá. Hoje, por exemplo, tive aula às 11h e só vou ter outra 17:30. Percebi que dia de sexta a universidade fica vazia!! Não sei se é porque poucas aulas são ofertadas na sexta ou se os alunos que escolhe de segunda a quinta.

Sobre os livros eu falei um pouco no post anterior, mas vou falar de novo. Somos obrigados a ter os livros de todas as matérias que estamos cursando. Alguns tem versão “ebook“, mas a maioria não. Uma coisa interessante que existe aqui é o aluguel de livros. É super comum você alugar os livros daquele semestre e depois devolver, vários sites fazem isso e a bookstore da universidade também. Temos tarefas de casa toda semana de todas as matérias e temos que nos preparar previamente para as aulas. Por isso, eles disponibilizam o calendário do semestre inteiro e você vai se preparando. A questão das provas achei meio confusa, algumas matérias tenho que fazer 4 provas + final, outra só 2+final, tem uma que nem preciso do final e em outras tem provas online.

Uma coisa que achei interessante é que todo mundo usa mochila aqui, inclusive professores. Alguns usam até de carrinho!! Coisa que eu só tinha visto no colégio infantil em Teresina. hahaha

Vida acadêmica – 3 dias de orientação

A novidade que falei no post passado é que agora sou F1 também!!! Assim como o meu marido, agora sou estudante! Já falei em posts passados que não terminei a faculdade no Brasil e por isso resolvi tentar estudar aqui. Estou muuuito feliz que deu certo e minhas aulas começarão semana que vem!!!

Antes das aulas começarem tivemos 3 dias de orientação. Elas são muito esclarecedoras e é muito bom pra gente ir “se enturmando”. Durante os três dias passamos o dia inteiro na universidade e, por isso, tivemos café da manhã, lanche e almoço. Minhas expectativas foram superadas!!! Não vi ovo nenhum dia por lá! kkkkkk

A primeira coisa que fizemos quando chegamos foi tirar a foto para o cartão da universidade. AInda bem que minhas foto ficou boa. hahahahaha No nosso primeiro encontro recebemos a “visita” do reitor, que aproveitou pra falar da triste situação de Ferguson (fica ao lado da universidade) e nos tranquilizar sobre a segurança dentro do campus. Depois nos dividiram em pequenos grupos e para nos conhecermos melhor fizeram algumas brincadeiras. Em seguida, deixamos nossos documentos para eles checarem se estavam em ordem. O almoço foi “servido” e logo em seguida tivemos provas de inglês. Sou muito ruim em fazer redação em inglês, tô torcendo pra me colocarem numa turma de aulas de inglês com foco nisso. Durante o dia falei com poucas pessoas, mas já fiquei mais colega de uma chinesa e uma coreana.

No segundo dia cheguei mais cedo do que no primeiro e tive bastante tempo pro café da manhã. Frutas (por incrível que pareça) deliciosas e bagels fresquinhos!!! É só passar um creamcheese e fica delícia! O dia foi mais chato do que o primeiro porquê envolvia palestras sobre plano de saúde, segurança e bem estar (cuidado com as calorias!! kkkk), pagamentos, essas coisas… Também falaram como “fazer” amigos americanos mas de uma maneira divertida. Tivemos também uma atividade para aprendermos como lidar com as diferenças culturais. Preparam também várias palestras sobre tópicos úteis pra gente aqui nos EUA. Escolhi o ‘economizando dinheiro’ e ‘conseguindo um trabalho’. Achei que os dois valeram a pena, apesar de já saber algumas coisas que foram ditas no primeiro por causa do tempo que moro aqui. Na parte da tarde fizemos um tour pela universidade, andamos duas horas sem parar e mesmo assim não conhecemos tudo. Foi bem cansativo, mas pelo menos já sei onde fica o prédio do meu curso.

Durante o terceiro dia tivemos contato com os novos alunos americanos, inclusive com os pais deles. Achei muito interessante que vários pais estavam acompanhando seus filhos e tirando fotos de tudo. Também tivemos encontros com pessoas do nosso departamento, que nos explicaram um pouco de como funcionam as coisas por lá, estágios, fraternidades, etc. Achei o dia mais chato, mas não posso negar que foram bem úteis esses três dias. Ontem ainda tive que ir falar com minha orientadora para fechar meu horário do semestre. Aproveitei ontem também pra pegar a permissão pra estacionar. Por sinal, em várias universidades essa permissão é paga, já na minha conseguimos sem pagar nada a mais. Uma coisa bem interessante que achei foi poder usar o site da livraria da universidade pra pesquisar preços e livros e fazer minha lista por lá. Como as aulas começam semana que vem não dá tempo pedir online, o jeito é pagar mais caro e comprar na universidade mesmo. Aqui também tem a possibilidade de alugar o livro, mas dos que vi o preço do aluguel era o mesmo de comprar usado, então preferi comprar mesmo. Já recebi um email avisando que os livros já estão no ponto pra eu pegar e hoje mesmo vou buscar. Pelo que os professores escreveram no “aluno online” a gente já tem que ter lido alguma coisa mesmo no primeiro dia de aula. Deus me ajude!

 

Bate-volta em Chicago.

Depois de umas longas férias no Brasil (sim, mais uma vez! :D) voltamos! Dessa vez ainda “trouxemos” visitas. Meus sogros vieram e estamos fazendo questão que eles se sintam em casa e aproveitem cada momento aqui nos EUA. Como Chicago não é longe resolvemos passar um diazinho por lá. Foi um passeio rápido, mas super proveitoso. Na estrada vi muuuuitos (incontáveis) trailers “viajando” e levando o carro no reboque. Achei bem interessante, devem tá fazendo uma roadtrip ou até mudanças, já que essa é a época que as crianças voltam das aulas e os jovens começam a faculdade. O que percebi é que os americanos realmente aproveitam o verão, andam com roupas super confortáveis, tiram as motos da garagem e aproveitam os parques. Já é a terceira vez que vou a Chicago e dessa vez tinha muuuito mais gente por lá! A fila do aquário tava depois de quilométrica. kkkkk Com a temperatura acima dos 25 graus eles também aproveitaram pra fazer um picnic e aproveitaram a vista incrível do lago Michigan. A cada dia que passa me apaixono mais por Chicago e por St Louis. A certeza de que escolhi um bom lugar para morar (pelo menos provisoriamente) me deixa tão feliz que eu quase esqueço que aqui não tem coxinha. hahahaha

Roteiro Chicago pra quem vai passar apenas 24h na cidade:

Cheguei no horário do almoço e fui direto para o Navy Pier, nosso plano era almoçar por lá, mas tava muito lotado e resolvemos só passear e depois procurar outro lugar para comer. Não deixem de visitar um jardim que tem ao lado da roda gigante. 

De lá fomos ao hotel só pra fazer o check in e tomar banho rapidinho. Como está no verão o Sol demora mais a se por e assim chegamos antes de escurecer ao Millenium Park, onde tem a escultura mais famosa de Chicago.

Em seguida, fomos a uma lanchonete brasileira e voltamos pro hotel. De manhã fomos tomar café no Valois, lá é muito bom, vive cheio e é o preferido do Obama quando ele visita a cidade. Além de não ser caro, é muito gostoso!

Após o café fomos para o complexo onde fica o Fields Museum e o Aquário. Não entramos pois as filas estavam gigantescas, mas só o passeio por lá já valeu muito a pena. Meus sogros adoraram e voltaram para St Louis com uma impressão ótima de Chicago. 

Acho que esse é um bom roteiro pra quem tem pouquíssimo tempo por lá.

Em breve volto para contar uma ótima novidade. Uma nova vida vai começar aqui nesse lado do mundo. Um misto de medo, ansiedade e muita felicidade toma conta de mim.

 

Lavanderia americana

No meu antigo prédio tinha 3 máquinas de lavar roupa e 3 de secar. Já nesse só tem uma de cada, ou seja, é muito ruim quando tem muita coisa pra lavar. Depois que minhas visitas foram embora e eu recebi a notícia que iria pro Brasil percebi que passaria o dia inteiro indo e voltando no porão pra lavar tudo que tinha. Além disso, quando comecei a lavar veio outra pessoa e deixou as coisas dela lá em cima da máquina, como quem diz: sou a próxima. Por isso, decidi ir à lavanderia que fica bem pertinho de casa. Eu queria conhecer, mas não tinha oportunidade. Coloquei todas as roupas de cama, toalhas, roupas acumuladas e fui! Chegando lá tem que comprar o cartãozinho da lavanderia e carregar. Só custa 45 centavos e você vai adicionando crédito. O preço da lavagem varia de acordo com o tamanho da máquina que você usa e, no caso dessa lavanderia, as roupas que eram lavadas lá podiam ser secadas de graça. É só inserir o cartão em cada máquina que ela já desconta o valor da lavagem e mostra o saldo.  Você pode levar seu sabão ou comprar lá (que na minha opinião não vale a pena). Cheguei de tardezinha e não tinha quase ninguém, mas depois foi chegando mais gente e tarde da noite fica lotado!! Pra passar o tempo enquanto sua roupa lava e seca eles disponibilizam wi fi grátis, televisões, pin ball e video game. Parecia o “play” do shopping. hahahaha Posso não ter dado sorte mas as roupas não ficaram bem secas. As máquinas de secar dos dois prédios que usei demoravam 45min cada “rodada” mas lá só eram 10min. Eu achei que por serem maiores talvez fossem mais potentes, mas precisei programar a máquina várias vezes e mesmo assim ainda cheguei com coisa molhada fria em casa. Valeu a experiência, mas só volto em casos extremos. Enquanto for pouca coisa dá pra eu me virar com a máquina do prédio.

Natal em Teresina

Vovó ficou com saudades e fez um lanche pra recepcionar a mamãe e minha prima que chegaram de viagem. Era comecinho de dezembro e a pergunta que não queria calar era: e a Carol não vem mesmo passar o Natal? Eu já tinha avisado que estava sem condiçõe$$ de ir. Também deixei claro que não iria sozinha, pois não era justo com o Jr. Então nessa reunião na casa da vovó em Teresina começaram a procurar por passagens pra nós dois. Eu estava na loja entregando meu notebook pra consertar quando minha irmã e uma prima começaram a mandar mensagem, ligar no facetime e tudo que era possível pra falar comigo o mais rápido possível. Não dava pra atender na hora por isso minha irmã resolveu me dar as boas novas por mensagem mesmo. Minha tia deu as passagens de ida de nós dois e a mamãe e a vovó dariam a volta. Foi uma confusão danada (no bom sentido) com as datas e passagens porque como era usando milhas não eram todos os dias que tinha vaga. Na mesma noite a gente já tinha passagem pra passar o Natal em casa (valeu, Nessinha!). É ou não é muita sorte de ter nascido nessa família? Mamãe saiu daqui de STL num dia e só chegou no outro em Teresina e eu fiquei de “luto”. Acordei tão triste no dia seguinte ao que elas foram embora, senti falta do nosso café da manhã e de noite eu já era outra pessoa! A gente sorria do nada e ficava dançando e cantando que ia pra THE. Quem imagina uma cena dessas? Eu e Jr pirando! kkkkkk No final das contas o Jr passou quase um mês em Teresina e eu fiquei um mês e meio. Foi muito bom rever a família e comer tooodas aquelas comidinhas deliciosas. Inclusive no Natal não deixei patê de frango pra ninguém (né, tia Lu?). hahahaha E assim que cheguei já fui trabalhar ajudando a mamãe. Tá certo que no primeiro dia eu só dormi na poltrona e minha irmã que trabalhou, mas depois eu ajudei muito também. :D Passada a fase do aperreio na Doce Vício eu e minha irmã só acordávamos quase na hora do almoço, ficávamos de bobeira em casa, comíamos kreps e churros de tarde no shopping e de noite ainda saíamos pra lanchar. Foram muitos dias felizes assim e no final ainda fiquei de babá da vovó na academia. Como sempre, foram dias intensos e que passaram voando mas voltei mais feliz do que fui. É muito bom estar em casa.

Saidinha com os amigos de escola e Jr.

Saidinha com os amigos de escola e Jr.

Nosso Natal tradicional na casa da vovó, ela quem arruma tudo!

Nosso Natal tradicional na casa da vovó, ela quem arruma tudo!

Comendo kreps depois de assistir "O cravo e a Rosa". Esse pedi pra vir com muita borda!

Comendo kreps depois de assistir “O cravo e a Rosa”. Esse pedi pra vir com muita borda!

E de sobremesa um churros misto. Claro que engordei, né? :D

E de sobremesa um churros misto. Claro que engordei, né? :D

Passamos o Reveillon em casa mas não deixamos de comemorar!

Passamos o Reveillon em casa mas não deixamos de comemorar!

Comemoração dos 20 anos da minha irmã e a mesa de delícias e belezas feitas pela mamãe.

Comemoração dos 20 anos da minha irmã e a mesa de delícias e belezas feitas pela mamãe.

Por último, minha despedida!

Por último, minha despedida!

Turismo em St Louis

Resolvi fazer um post sobre isso logo porque tive dificuldades em encontrar relatos de turismo aqui em St Louis na internet. Só achei de site de viagens, wikipedia, essas coisas impessoais.

Bom, o Gateway Arch é o monumento mais famoso daqui. Fica no centro da cidade e dá para subir até o topo. Entramos num elevador meio cápsula (claustrofóbico não pode ir, porque é muuuuito apertadinho). Sem falar que por causa da forma da construção ele vai balançando no percurso. Lá em cima tem umas janelinhas e você fica admirando a vista. É legal, mas é rápido, não tem muito o que fazer sabe? Mas lá embaixo na entrada tem um museu e um cineminha e você pode assistir documentários relacionados ao arco. É claro que tem a lojinha de souvenir também. O parque onde o arco fica é bem legal e se não tiver tão frio dá pra fazer uma caminhada que é bem relaxante. Dentro do mesmo parque também fica a Catedral antiga, vale dar uma entradinha.

Aproveitando que já tá no Centro da cidade e é praticamente em frente ao monumento mais famoso de St Louis vá conhecer a Old Courthouse. É um prédio histórico bem bonito. Amo a cúpula de lá!

Se você é daqueles que gosta de conhecer os restaurantes típicos e provar as comidas locais uma boa pedida é ir comer a costelinha de porco do Pappy’s Smokehouse. Chegamos lá 13h e tivemos que enfrentar uma fila imensa!! Já saiu até no programa Man vs food.

Se você vem com criança ou é uma criança por dentro ainda no centro da cidade tem o City Museum. É um museu diferente, super interativo. É uma mistura de playground com museu, dá pra escalar algumas “obras”, escorregar, pintar e jogar em várias exibições. O bom é que fica aberto até a meia-noite e se você for de noite ainda paga mais barato!! Bem pertinho fica o City Garden, várias praças com várias esculturas e fontes e que os americanos adoram (eu não vejo muita graça).

A Cathedral Basilica é outro ponto que vale a pena ser visitado! Remete às igrejas antigas da Europa e tem várias pinturas e mosaicos de deixar qualquer um boquiaberto. O bom é que pode tirar fotos! Se naão for na hora da missa, claro. A mamãe adorou o lugar! Todos os domingos íamos à missa lá.  Fica num bairro bem gostoso, chamado Central West End e tem vários lugares bons pra comer por perto.

Meu lugar favorito em St Louis chama-se Forest Park. É de uma imensidão que é impossível conhecer tudo de uma única vez. Dentro dele tem campo de futebol americano, quadra de tênis, dois museus, restaurantes, pedalinho e um lago. É o lugar que mais gosto de ir, onde tiro as fotos mais bonitas (e onde já peguei uma multa também) e é bem relaxante. Se não tiver muito frio é muito bom dar uma caminhadinha, passar por entre as árvores e lugares em que a água do lago atravessa nosso caminho. É um contato muito bom com a natureza. Lá já visitei o Museu de Arte (que é grátis) e falta o Museu de História.

O Jardim Botânico também vale muuuuito a pena ser visitado (sábado até meio dia é grátis para quem mora aqui), principalmente na primavera. Levei a mamãe e minha prima no final do outono e mesmo assim gostaram (menos do frio, claro). O jardim japonês e o árabe são meus preferidos. Lá dentro tem também a casa de Tower Grove, que foi quem criou o jardim e posteriormente deu nome ao bairro. Também é tão grande que nem sei quem consegue caminhar tudo aquilo em uma só vez. E pertinho de lá tem uma patisseria bem charmosa chamada La Chouquette com lanchinhos interessantes.

Eu sempre levo quem vem me visitar pra conhecer a Washington University in St Louis, porque é onde o Jr estuda e é bem diferente das universidades do Brasil. Prefiro ir num horário que não tem muito aluno e vários prédios ficam fechados, mas se for em dia normal dá pra conhecer tudo e morrer de vontade de estudar lá. A entrada parece de um castelo e tem vários salões dignos de rei mesmo.

Tem também a cervejaria Budweiser que nunca fiz porque não bebo e aí fico com vergonha de ir e não provar o que eles oferecem. hahahaha Mas quem faz o passeio pago diz que é muito bom, porém o grátis é sem graça. Quem for, me conta.

Outros dois restaurantes famosos e a cara de St Louis são Blueberry Hill e Pastaria. O primeiro fica pertinho da universidade, tem vários espaços e vive lotado! É comida americana e eles servem o menu de café da manhã o dia inteiro. Já o segundo é de comida italiana, fica no “bairro” nobre da cidade e é ótimo pra ir comer uma pizza assada em forno a lenha (coisa difícil por aqui) e pedir o crispy risotto balls de entrada.

O post ficou meio longo mas espero que ajude quem tem planos de vir pra cá. Essas são minhas dicas dos lugares mais legais e acho que não esqueci de nenhum lugar que vale a pena conhecer por aqui.