Hello, Hello!

Ontem na aula tivemos que resolver umas questões e tinha uma palavra que nem a professora sabia o significado, daí dei minha ideia do que achava que poderia ser e não é que estava certa? Mas o melhor foi que o senhor chinês falou pra mim “You are very smart!”, por causa do ocorrido. Adorei! Ele quase não participa das aulas e, apesar de estar há 23 anos nos EUA, ele não é fluente em inglês. Inclusive a professora fez um ditado (teste de soletrar) e ele não quis participar, disse que era muito difícil pra ele, tadinho. Sempre pensei nisso desde quando cheguei aqui: o alfabeto chinês, japonês, coreano, russo e árabe é totalmente diferente do inglês! Olha que sortuda eu sou, português e inglês tem basicamente as mesmas letras, embora as pronúncias sejam diferentes. Mesmo assim é um grande avanço já ter letras iguais. Imagina ter que aprender a ler e escrever depois de adulto? Muito complicado, né? Falando em chinês, ganhamos uma nova colega de classe chinesa. Ela é muito simpática, sorridente mas ninguém entende o que ela fala, nem a professora. A gente se esforça, mas o sotaque é bem carregado, sabe? Algumas vezes a gente não entende o que o outro fala, normal, mas a professora sempre “decifra”. Tô com pena da chinesa que tem que repetir mil vezes a mesma coisa pra poder ser entendida. Que bom que pelo menos um sorriso no rosto ela tem. :)

No dia 12 de dezembro vai ter uma festinha de despedida do departamento de matemática da Universidade e eu vou poder participar! Nem preciso dizer que já me animei né? Na verdade acho que é um brunch (café + almoço), porque vai ser ao meio dia. Tem comida e refrigerante grátis e quem quiser levar algo pode levar também. O Jr já falou que quer levar pão de queijo e eu adorei a ideia. Vocês já perceberam minha quedinha pelo pão de queijo né? hahaha Falando nisso hoje perguntei para a japonesa se ela já tinha comprado a mistura pra fazer em casa, ela falou que ainda não mas me falou que no Japão é popular e que lá eles chamavam pão de queijo. Olha que interessante! O nome que eles usam por lá é em português! Ela também contou que tem muitos brasileiros por lá, então deve ser por isso o nome.

Preciso compartilhar com vocês que descobri que pode trazer comida despachada na mala, desde que seja industrializada (a Lorna sempre me salvando!). Ainda bem que vou levar mala grande, porquê na volta vou trazer muuuita massa de milho/arroz pra fazer cuscuz!! Aliás tenho uma lista já bem grandinha com coisas (não só alimentos) pra trazer do Brasil, espero que caiba tudo! hahaha

Anúncios

Black Friday

Desde quando cheguei aqui esse dia era esperado. Já falei que não sou consumista louca que sai por aí comprando tudo, então esperei chegar essa época pra ver se eu comprava um pouco mais por menos. Eu estava ansiosa assim não só por causa dos preços, mas eu tinha a curiosidade de ver as pessoas saindo de madrugada pra comprar. É tipo loucura né?! Coloquei na minha cabeça que só ia pra “muvuca” lá pras 3h da manhã, que ia descansar um pouco antes de ir e só no meio da madrugada iria aparecer. Mas quem disse que consegui descansar e esperar dar 3h? Quando vi no relógio meia-noite fiquei ansiosa, chamei o Jr e ele topou ir na hora (ele adora compras :P)!! Chegamos um pouco “atrasados”, mas não estava uma loucura como falaram que seria. Na hora de pagar enfrentei algumas filas grandes nas lojas menores, mas estava tranquilex pois estava adorando fazer parte dessa tradição. Numa dessas lojas menores, estava quase chegando minha vez de ser atendida e um moleque cara-de-pau viu que eu estava sozinha e veio oferecer “5 bucks” pra entrar na minha frente, eu respondi que não, ele falou de novo que me daria 5 dólares, disse não de novo e ele perguntou: “Really?”,”Yeah, really!!!!”. Deu vontade de falar “you gotta be kidding me”, porque odeio quem fura fila, não gosto quando alguém deixa outra pessoa entrar e ainda comprar o lugar??? É demais, né?! Mas a pessoa que estava atrás de mim não ligou muito e deixou ele furar a fila.

Muitas coisas em promoção, quase tudo entrou na lista de descontos, mas minha bolsa-desejo e as maquiagens não. Claro que tinha coisa antiga, mas várias peças novas também faziam parte do estoque. Se você tivesse visto algo no site e na loja não tivesse eles perguntavam se você não queria que eles enviassem pra sua casa e eu aceitei, até saiu mais barato do que o que eu tinha visto, mas só descobri isso depois… Primeiro fui ao shopping mesmo, porque era mais perto e a maioria das lojas do outlet só abririam 5h. Fui em apenas duas lojas, pois algumas só a partir das 8h e eu sabia que ainda ia voltar lá. Quando deu umas 04:40 saímos do shopping e fomos pro outlet. Chegando lá a gente viu uma fila DAQUELAS, “arrodeando” o estacionamento, mesmo fazendo frio e ventando muuuuito!!! Até falei que se aquela fila toda fosse pra entrar eu ia esperar dentro do carro, porquê não sou pinguim né?! Como não nos contentamos com ela fomos procurar outras entradas do lugar e aí descobrimos que aquele montão de gente estava esperando pra entrar em UMA loja (que não descobri qual era, mas dizendo o Jr que era uma que vendia coisas pra acampamento/caça).

Fiquei besta quando entrei e não vi quase ninguém lá, jurava que ia ter milhaaaares de pessoas se esbarrando e aqueeela loucura! kkkkk Jr disse que minha imaginação é muito fértil, tô começando a acreditar. hahaha Prefiri assim,porque com pouca gente nas lojas é mais tranquilo pra experimentar e não tem fila na hora de pagar. Apesar de ter andado muito, ainda não foi dessa vez que consegui terminar de conhecer o outlet. Lá pelas 8h da manhã o Jr já estava “moído” e quis vir pra casa. Deixei ele e as compras que já tínhamos feito e voltei pro shopping (sem GPS, uhuu). Fui em outras lojas que não tinha ido de madrugada e depois voltei pra minha predileta. Quando cheguei lá de volta já tinha muuuito mais gente do que de madrugada e quase não acho lugar pra estacionar. Na hora que fui embora já estava um formigueiro de gente e no estacionamento as pessoas me seguiam pra ver onde eu tinha estacionado o carro, só que como eu tinha rodado muito procurando lugar eu não sabia a fila certa. hahahaha Lá também encontrei um casal de brasileiros, mas morro de vergonha de puxar assunto, aí só digo “brasileiros, né?” e dou um sorrisinho. hahahaha

Na noite anterior eu tinha reservado um notebook numa loja de informática, eles só confirmaram no meu email e cheguei lá pra buscar. Muito fácil e prático. É melhor assim, pois praticamente não tem fila e você pode chegar a hora que quiser que o seu produto vai estar lá, sem precisar disputá-lo com nenhum cristão. Além de ganhar tempo em outras lojas melhores, porque taí uma lojinha que não me atrai é de informática… Na hora de ir embora o segurança perguntou se eu tinha pago o produto (porque eu fiz um caminho que não passava pelo caixa convencional, paguei no lugar que entrega as reservas da internet), eu disse que sim, ele quis ver a nota. Dá vontade de dizer não, né?! Na saída tem aquelas coisas que apitam por qualquer coisa e mesmo assim eu tenho que mostrar?  Mas eu, até com um sorrisinho no rosto, mostrei o recibo. :D

Às 15h o cansaço bateu e voltei pra casa, mas no caminho não resisti e passei no lugar onde a japonesa comprou os cupcakes que levou pra aula. Jr também adorou e já comeu mais do que eu.  hahaha Ainda não comprei tudo da minha lista, mas algumas lojas extenderam as promoções até hoje e acho que ainda vou passar por lá. Caso eu não vá não tem problema, porque promoção sempre tem! Essa semana deve ter o “saldão” da black friday, já tô até vendo…

Happy Thanksgiving!

Eu sei, o Thanksgiving só é amanhã, mas estou adiantada porquê o feriadão já começou e a festinha de comemoração no curso de inglês foi ontem. Resolvi levar os pãezinhos de queijo para a confraternização, pois ainda tinha uma caixinha da massa semi-pronta na despensa, era fácil e rápido de fazer e eu adoro!! Acordei 20 minutos  mais cedo pra preparar e chegaram na aula ainda quentinhos (tão sentindo o cheiro? :P). Ainda pensei em fazer brigadeiro, mas não tinha granulado, pensei em enrolar no açúcar mas nem ia ficar com o mesmo gosto (essa foi minha desculpa mental para a preguiça de enrolar docinhos). Cada pessoa que chegava trazia um depósito enorme, numa sacola maior ainda e eu com uns 15 pãezinhos já estava ficando tímida. hahaha Todo mundo comeu um, mas a japonesa AMOU e fez questão de pegar um pra levar pro marido dela. Também me perguntou como eu fazia, eu disse que ela podia comprar a mistura no supermercado especial e ela ficou super animada! Coincidência ou não a massa é da Yoki, empresa criada por um imigrante japonês aí no Brasil. Conversamos sobre o de sempre no início da aula e chegada a hora do lanche todo mundo correu pra desembrulhar seu pacote. Tivemos várias coisas gostosas, um verdadeiro banquete. Vamos ao cardápio?

A russa levou frutas: maçãs, bananas e clementines. Clementine é uma mini-tangerina (menor que limão um pouquinho), nunca tinha visto no Brasil e nem achei tradução pra ela. A russa contou que as mães gostam de comprar para as crianças, é saudável, bonitinha e na medida certa da fome delas. Essas três frutas estavam especialmente deliciosas e já vou catar clementine no supermercado pra cá. hahahaha

A japonesa comprou e levou cupcakes. (Ela confessou que tentou fazer um brownie mas queimou. hahaha) Olha, o melhor que já comi na vida! Sério! Não sou muito fã, mas queria experimentar tudo que estava posto na mesa e não me arrependi. Quando fui perguntar onde ela tinha comprado ela respondeu que era numa loja perto daqui. A professora ouviu e comentou que ano passado teve uma competição entre os melhores cupcakes dos EUA e essa loja venceu. Ou seja, os melhores cupcakes estão aqui! Ponto pra minha cidade! :DDD

O chinês levou fatias de batatas doces cozidas. Elas eram alaranjadas e não da mesma que conhecemos aí no Brasil, apesar do sabor ser bem parecido e do outro tipo ser encontrado aqui também.

Já a coreana levou os refrigerantes, água e um saco de chips (como se fosse batata Ruffles, mas não era de batata) pretos orgânicos (não deu pra eu identificar o sabor) com um molho apimentado. Eu não sou muito fã desses molhos, mas era uma combinação perfeita para o chips. Também coloquei a batata doce com eles e deu certo.

A professora, que é americana, fez brownie. Mais típico impossível né? Também estava uma delícia, com castanhas (eram chestnuts, não sei a tradução para o português, mas dizendo o Google que são castanhas portuguesas) e um recheio de geléia de framboesa. Estão ficando com água na boca? hahaha

Minha colega síria está hospedando os sogros essa semana e a sogra dela preparou um macarrão com queijo, salsicha, brócolis e molho branco além de uma entrada feita com pão sírio, sementes (tipo gergelim) e alguma coisa apimentada que não consegui identificar. Irrestível! Aproveitei e conversei muito com os sogros dela, falei sobre as comidas árabes que eu gostava e das minhas raízes sírio-libanesas. Durante o lanche, a coleguinha síria me convidou para ir à casa dela e disse que até poderíamos sair para jantar mas ela fazia questão que eu fosse conhecer o apartamento que ela mora. Fiquei suuuuper empolgada e claro que aceitei o convite na hora!!! Talvez seja daqui duas semanas, porquê nessa ela está com visitas e na próxima ela vai viajar. Já estou ansiosa!

Preciso confessar que só não comi mais porquê já estava com vergonha. Foi bem legal nosso lanche e a experiência foi ótima. Espero que no Natal tenha de novo. hahaha Depois da comilança a professora levou um jogo de tabuleiro sobre o Outono e nos divertimos bastante. Eu fui a última colocada, porquê o dado que eu jogava só parava no 1, consequentemente, eu só andava uma casa! Todo mundo já estava com peninha de mim e sempre torcendo pra sair um número 6! Na última rodada ele saiu, e sabem onde parou? Na casinha que dizia “perca sua vez”. Daí a professora disse: melhor pararmos por aqui né?! kkkkkk Dizem que é sorte no jogo e azar no amor, então o contrário deve ser verdade também. :D

Farmácia.

E aí quando você sai do hospital tem que comprar o remédio né? Nem sempre… Quando se sai tarde da noite, sem carro e sem farmácia perto fica difícil. Então você tá pensando: pede um delivery. E quem disse que isso existe aqui? Aliás, me decepcionei com os deliveries  da cidade, ou então ainda não me achei. Mas deixa isso pra lá, pra um outro post talvez. Voltando à história da farmácia. Aluguei um carro para ir à farmácia mais próxima de casa, porquê não tem nenhuma que dê pra ir a pé e se fosse de táxi iria pagar 3x o valor do aluguel. Chegando lá dei as receitas no balcão, a pessoa perguntou pelo cartão do plano de saúde e a que horas eu ia buscar. Eu já fiquei desconfiada: como assim que horas vou buscar?? E ‘num’ é na mesma hora não? Daí eu fiz uma coisa que odeio não gosto, respondi com outra pergunta: A que horas fica pronto? Ela falou que demorava só de 15 a 20 minutos. Ok, resolvi esperar na farmácia e ela disse que chamariam meu nome no sistema de som. Aproveitei pra dar uma olhada nos desodorantes pra ter certeza que por aqui eles não gostam dos aerossóis. Já coloquei na lista de compras brasileiras desodorantes desse tipo pro ano inteiro! Depois de meia hora ouvi o “Da Silva” (sobrenome do paciente Jr :P) pick-up e fui receber. Chegando lá, a mulher fala: ah, são dois remédios né? Só um está pronto. E eu preocupada com o aluguel do carro perguntei de novo quanto tempo demoraria, mais 15 minutos.  Liguei logo pro Jr extender a reserva pra gente não pagar multa. Depois de uns 20 minutos não me chamaram e eu já fui pra fila de receber e pagar, pra ver se adiantava o processo. O remédio ainda não estava pronto, mas pelo menos o caixa era simpático e foi tentar agilizar. Ah, detalhe: quando estava na fila olhei pro lado e vi um dos medicamentos do Jr na prateleira de remédios que  não precisava de receita. Quando finalmente o segundo remédio ficou pronto, o caixa me chamou de novo (eu fui pra fila de novo, porquê achei que era falta de educação só ficar lá do lado esperando), foi passar este tal remédio viu que não tinha sido aprovado ainda pela farmacêutica e disse que demoraria apenas 2 segundos pra ela fazer isso. Acontece que a farmacêutica estava hiper ultra mega atarefada, com telefone fixo, celular e aprovando medicamentos tudo ao mesmo tempo. Passados 10 minutos (que eram pra ser 2 segundos) o caixa simpático volta e diz que ela encontrou um problema na receita e por isso não podia autorizar, se eu quisesse saber o que era pra ir em outra janelinha conversar com ela. Minha gente que complicação é essa pra DOIS remédios? Parece farmácia de manipulação, mas pelo menos quando vamos lá sabemos que não fica pronto na mesma hora. A uma hora dessas eu não tinha mais tempo pra esperar e certamente não entenderia o que ela tinha pra me dizer, daí fui embora só com um remédio, devolvi o carro atrasada e ainda paguei multa. Dois dias depois o Jr recebe uma ligação da farmácia com uma gravação dizendo que o bendito estava pronto. Agora tá lá, porquê o Jr foi em outro médico, que passou outros remédios e ele comprou sem complicação numa outra farmácia.
*Assisti “Amanhecer – parte dois” e adorei! Já comentei que não sou muito crítica pra filme, né? Além do que sou romântica (mais do que o esperado hahahaha) e adoro filmes fofos.

*A melhor coisa é supermercado 24h! Além de ser beeem mais tranquilo na madrugada, eu posso ir pra um lugar que fecha cedo, deixar o Jr em casa (porque quando ele vai fica “aperreando” pra ir embora e eu nem olho as coisas direito) e só depois ir curtir essa parte de ser dona de casa. Namoro com flores e até pimentões, volto feliz da vida! hahahaha

UPDATE

Amanhã teremos uma festinha em comemoração ao ThanksGiving na aula de inglês. Cada pessoa leva um prato, que pode ser típico do seu país. O que eu levo???? Que não seja difícil e tenha os ingredientes aqui. Cuscuz e beiju não rola. kkkkk Brigadeiro também não!!

Hospital.

Desde a semana passada o Jr sentia um mal-estar, muita dor de cabeça, enjôo e tontura. Achamos que ia passar logo, ele tomou remédios mas os sintomas iam e voltavam. Faltou aulas, fez uma prova porquê foi o jeito mas continuou passando o mal. Ontem resolveu ir ao hospital porquê lá não pagamos a consulta por causa do plano de saúde. Eu não sei se temos que pagar se formos fazer uma consulta sem ser emergência, mas a de ontem não pagamos um centavo. Ele já foi ao departamento médico perto de casa mas tinha que pagar uma parte porque o plano de saúde só paga uma porcentagem do valor total, é o chamado co-pay (que agora está começando a ser implantado no Brasil). Tem uma parada do metrô praticamente dentro do hospital. E que hospital!  Sempre gostei de assistir Grey’s Anatomy e House (no começo era mais interessante, foi ficando chato e nunca mais assisti) e por isso adorei ir pra lá, mesmo por um motivo ruim. Estava me sentindo no Seattle Grace Hospital ou no Princeton-Plainsboro Teaching Hospital, mas na verdade estava no Barnes Jewish Hospital. hahaha Este hospital é considerado o sexto melhor dos EUA e o melhor do Missouri (de acordo com uma propaganda que passava lá), ou seja, bem conceituado. Era tão grande que nos perdemos e fomos parar na parte infantil. Fiquei encantada, tudo era muito colorido, várias esculturas infantis e até o desenho/pintura do carpete era diferente. Lá pedimos informações e cruzamos uma das várias passarelas que interligam cada parte do hospital. Mesmo assim ainda não tínhamos nos encontrado e fomos parar num local restrito aos funcionários. hahaha Lá pedimos ajuda de novo e finalmente chegamos à Emergência. Já tinha lido a respeito do atendimento no hospital aqui nos EUA e fui preparada pra esperar mesmo. Primeiro Jr preencheu uma ficha de atendimento, em seguida, após mais de uma hora de espera, ele foi chamado para responder algumas perguntas ( o que ele estava sentindo), depois de mais de uma hora chamaram de novo, pra dar um encarte do hospital, perguntar sobre o plano de saúde e dando instruções se caso ele piorasse antes de ser atendido. Enquanto esperávamos, senti cheiro de pipoca, depois de batata frita e hamburger, aí foi dando vontade de comer fome. Depois de muito andar, achei a cafeteria e fiquei boquiaberta. Várias opções de lanche, comida “de verdade”, bolos, frutas, saladas, sucos, refrigerantes e até pipoca! Tudo por um precinho bem acessível. Assim a espera fica mais gostosa né? Como não entramos pela porta principal não passamos pelo detector de metais, mas todas as pessoas que chegavam só entravam depois de passarem por essa vistoria (quando voltei da cafeteria passei). Eles são bem preparados, preocupados, loucos, sei lá o quê com essa questão de segurança. Após esperarmos um bom tempo finalmente fomos chamados. A enfermeira falou que Dr House estava vindo. Na mesma hora fiz uma brincadeirinha, o House estava ali! kkkkkk Era uma médica bem simpática, fez algumas perguntas pro Jr, passou um remédio intra-venoso (acho que é isso que quer dizer o IV que ouvimos lá) e quando esse medicamento acabou ela voltou, perguntou como ele estava se sentindo e receitou remédios que ele tinha que tomar em casa. Caso ele não melhore, vamos ter que voltar. Ela não falou nenhuma doença possível, achei estranho porquê esperava que ela fosse dar um diagnóstico ou pelo menos fazer algum exame. No entanto, não entendo os procedimentos que médicos e hospitais têm que fazer, então achei que fomos bem atendidos e não tenho do que reclamar. Durante a ‘entrevista’ (eu sei que tem um termo médico pra isso, mas não lembro qual) da médica eu ficava no google procurando os sintomas em inglês. O Jr já tinha visto alguns, mas esqueceu de outros. Adoro quando aprendo palavra nova, fico repetindo mil vezes mentalmente. hahaha Pra completar, quando foi tomar banho após essa longa espera no hospital quase levou uma queda na maldita banheira, prendeu o pé no ralo(?) e quase se machucava mais sério. Depois de um tempo ele percebeu que o lençol de cama estava todo sujo de sangue e no lugar que ele estava. Procuramos mas não vimos nenhum lugar ferido, depois sujou mais e quando olhei pro pé dele lá estava o dedinho sujo e machucado. Tadinho :( Ele melhorou, mas ainda não está 100%, vamos ver como ele vai responder aos medicamentos.

Ah, hoje foi o dia mais frio por aqui! Quando saí de manhã a temperatura era de -1 ºC, com Sol e muito vento. Tinha previsão de neve, mas infelizmente não foi dessa vez. Tô doida pra conhecê-la! Mas prefiro que seja quando eu esteja em casa, pra evitar congelar. hahaha Na volta do hospital fazia 3ºC e ventava mais que de manhã. Tô achando que esse inverno vai ser bem rigoroso.

Horário de verão e mais um pouco de tudo.

Desde que chegamos aqui estávamos em horário de verão e já estava acostumada. Meu computador, não sei porquê, ficava no horário normal e meu celular no horário de verão. Quando acordei domingo os dois mostravam o mesmo horário. Fiquei meio sem entender o que estava acontecendo, que horas são mesmo? Dei logo um google e vi que o horário de verão tinha acabado às duas da manhã. Na hora adorei, nem sei mesmo por qual motivo. Acho que é porque quando ele acabava no Brasil eu gostava. Agora estou tentando me acostumar, mas tá difícil viu? Às 5 da tarde já está escuro e quando penso que já são 10 da noite ainda são 7. De manhã eu sempre era acordada por uma luz forte que teimava em passar pela cortina, mas agora fica tudo escurinho ou sem luz suficiente pra me acordar. Além disso, a diferença para o horário brasileiro aumentou mais uma hora, ou seja, agora aqui são três horas a menos. Se saio de tardezinha quando volto já não tem mais ninguém lá de casa online. Os posts e atualizações nas redes sociais param e eu fico sem ninguém pra conversar. :(

O Outono a cada dia está mais frio, a previsão para Segunda-Feira é de -1º, isso mesmo: temperatura negativa! Em alguns lugares já está até nevando, mas não vi previsões de neve por aqui. Uma pena, porquê nunca vi esse fenômeno e tava doida pra ver/sentir.

Cada dia gosto mais da cidade que estamos morando. Não conheço vários pontos turísticos e já estou apaixonada, imagine quando der pra ver tudo! Acho que só vou aproveitar mais a cidade quando estiver de carro, porquê andar a pé no frio (e com vento) não é muito bom não, viu? Estou me acostumando com a comida daqui e já achamos restaurantes ótimos (com comida de verdade, mas é claro que os sanduíches e hamburgers também estão no menu) e nem tão caros assim. Descobrimos uma verdadeira delícia que é típica de St Louis e lembra muito nosso pastelzinho, dá pra matar a saudade!

Ontem os inspetores vieram aqui em casa de novo. Dessa vez pra conferir se o que eles tinham mandado fazer estava feito. Perguntei sobre a questão da televisão. Sim, até hoje temos que escolher entre ela e a internet. Claro que ela fica abandonada né?! A pessoa que veio disse que não sabia direito o que tínhamos que fazer, porque isso não era com ela, mas perguntou se já tínhamos ligado pra empresa que cuida do apartamento. Já ligamos, mandamos email, preenchemos uma ordem de serviço mas ninguém resolveu nosso problema. Uma hora depois que os inspetores sairam daqui mandaram um email com as possíveis soluções e todos os telefones possíveis pro problema ser resolvido. Agora sim sabemos que proceder e finalmente vamos poder ficar na internet e assistir TV ao mesmo tempo.

As eleições foram bem tranquilas, aliás nem vi aglomeração nem manifestação em lugar algum que passei. O Mitt Romney ganhou no Missouri, mas eu prefiro o Obama e ainda bem que ele foi o eleito. Só por questão de simpatia mesmo, sabe? Porquê acho que não faz tanta diferença pra mim quem governa esse país – já que ainda não é o “meu”.

3 meses!

Ontem completamos três meses que chegamos aqui, mas o post só saiu hoje porque só lembrei de noite. Quando estou de carro às vezes passo pelos caminhos que fizemos no dia que chegamos, onde nos perdemos (procurando um restaurante, lembram?), em frente ao Hotel (tão perto de casa e a gente jurando que precisava de um táxi…) e fico pensando: como pude me perder aqui?? como pude chamar um táxi pra fazer um caminho que demora só 10 minutos a pé?? Aí lembro que não sabia NADA quando cheguei, agora estou muito mais familiriazada com o local, mesmo que ainda não conheça vários lugares. Já consegui ir ao supermercado e a um restaurante que gostamos sem GPS, já decorei o nome de várias ruas e, como diz no Piauí, “peguei as manhas” da Interestadual, já até excedi o limite de velocidade, já entendo o que o garçon fala e algumas outras coisas que não tô lembrando agora. Falta muita coisa pra conhecer e aprender, mas nossa experiência já está valendo a pena. É muito bom atender o celular e entender 70% das coisas que a americana falou, mesmo eu respondendo só sim, não e não sei (minha desculpa é que não queria “encompridar” a conversa)… Também penso que meu inglês não tá lá essas coisas, quase não tenho contato com americanos (na aula de inglês só a professora é) porquê praticamente só saio de casa pra aula e pro supermercado, mas quando penso o tempo que ainda vamos passar aqui vejo que mais cedo ou mais tarde ele vai estar do jeito que eu quero. A parte que eu acho que mais melhorei foi o listening , que é o ouvir e entender. O Jr sabe mais inglês do que eu, mas quando saímos eu sempre digo pra ele o que a pessoa tá falando, não sei se é porquê ele não presta atenção ou porquê não sabe mesmo (acredito que é mais falta de atenção mesmo). Da última vez que saímos a garçonete perguntou o que queríamos pra beber, ele falou que queria um ravioli, ela ficou sem entender e repetiu a pergunta, ele disse de novo a mesma coisa, depois da segunda vez a garçonete já tava meio sem paciência e eu falei: Jrrr, ela quer saber se tu quer algo pra beber!!! kkkkk  Algumas vezes as pessoas falam tão rápido ou com sotaque tão carregado do interior que nem eu nem ele entendemos, mas no geral estamos nos virando bem. A eleição vai ser essa terça-feira, mas não é feriado. O voto não é obrigatório e muitos americanos dizem que não vão votar porque são muito ocupados, geralmente 80% da população comparece à eleição presidencial, mas quando é regional o número cai pela metade. A biblioteca que tenho aula vai ser usada como local de votação e por isso a aula desse dia foi cancelada.
Algumas pessoas perguntaram sobre o Halloween, mas não escrevi nada porquê foi um dia comum. Se não me engano o Jr até foi convidado pra uma festa temática, mas não falaram se eu podia ir (mesmo se tivessem dito acho que não iríamos). De acordo com minha professora de inglês as crianças agora participam mais de festinhas em determinados locais do que saem de porta em porta. Além do mais elas visitam casas e não apartamentos. Por aqui vi a festinha que contei no outro post, mas no dia mesmo nem vi ninguém. Leio sempre um blog de uma goianense que tem três filhas e mora em Houston, ela contou aqui como foi o Halloween das pequenas e achei bem interesante.

Dona de casa – parte 2.

Algumas pessoas ainda me perguntam se tenho uma faxineira, por isso resolvi fazer esse post. Aqui nos EUA só quem tem muuuito dinheiro é que tem faxineira/secretária, cozinheira e jardineiro. Não é nosso caso (nem da maioria dos americanos), por isso a faxina fica por conta dos moradores da casa. Já vi vááárias vezes meus vizinhos cortando a grama e agoando seus jardins. Entretanto, as ferramentas utlizadas são mais modernas do que as usadas no Brasil e facilitam muito a vida de quem cuida de casa. Pra cortar a grama os vizinhos usam uns carrinhos enormes e bem potentes (quando terminam eles mesmo juntam os ‘restos’ e colocam em sacos específicos pra isso, inclusive tem uma coleta só para esse tipo de lixo uma vez por semana). Por menor que seja o jardim sempre vejo irrigadores fazendo o serviço do jardineiro com a mangueira. Dessas duas tarefas estou livre, porque como moro em apartamento alugado pela Universidade eles que são responsáveis por isso. Mas o pior serviço é dentro de casa. Sempre li blogs que falam dos produtos de limpeza milagrosos americanos, que só não tem a casa limpa nos EUA quem é preguiçoso, que isso e aquilo. Agora vou contar pra vocês o que EU acho disso tudo. No Brasil, só peguei em vassoura e pano de chão quando trabalhei por dois meses (e a área que limpava era só do tamanho de umas da sala de casa), também só passei roupas durante esse período. Nunca tinha limpado banheiro, nem cozinha, nem sala nem nada. Cheguei aqui jurando que a vida de dona de casa seria facílima, afinal os produtos aqui são milagrosos né? Eles realmente são bons, mas só fazem milagres se você souber usar, e como eu não sabia nada dessas coisas de limpeza ainda estou aprendendo a melhor forma de deixar a casa limpa. Eu tenho vários produtos mas nem sei pra que cada um realmente serve (na embalagem todos servem pra tudo, mas é impossível isso né??), vou testando um de cada vez e vendo qual desempenha melhor função em cada lugar. Infelizmente, não tenho um manual dizendo: “use isso e isso ali, o modo de usar é esse” então só com a prática é que a vida de dona-de-casa vai ficar mais fácil. As janelas são de vidros mas são duplas, ou seja, tem uma janela pelo lado de dentro e outro pelo lado de fora, mas se fosse só isso tudo bem. Pra limpar os dois lados era só abrir uma de cada vez e limpar, o problema é que tem uma tela entre as duas e as janelas são muuuuito velhas, por isso estão emperradas e eu não consigo abrí-las. Desse jeito só consigo deixar a parte de dentro limpa e fico “agoniada” vendo o sujo do lado de fora!!! O piso do apartamento é de madeira, exceto na cozinha, banheiro e no mini-corredor que liga esses dois espaços. Já vi que não posso limpar a madeira com pano molhado, mas não tenho o aspirador de pó + rodo que vendem por aqui (foi um erro, comprei uma vassoura e um rodo pelo preço de uma máquina dessas, estou esperando os dois estragarem pra comprar), então passo pano de chão mesmo. Mesmo assim sinto que ainda fica sujo, seja  um fio de cabelo ou uma poeirinha que não consegui mandar embora. Será que com essa máquina eu vou ter a sensação de estar tudo limpíssimo e impecável? Pela propaganda sim, vamos ver na vida real. O banheiro não tem ralo, ou seja, não dá pra limpar jogando água porquê ela não tem pra onde escorrer. Acho muito nojento só varrer e passar o pano, por isso comprei um escovão pra esfregar o piso mas ele não é muito bom ou então tô usando errado (e tem como? parece…). Além do mais tem uma banheira do “tempo do ronca” e que eu não faço a mínima ideia se estou limpando certo ou errado. Passo lá um produto, um paninho e pronto. Será que alguém (que alugou antes ou que vai alugar depois da gente) ainda tem coragem de ficar de molho nela? Esse apartamento é da universidade e alugado por vários estudantes há anos, eu hein, Deus me livre. A cozinha é a parte que mais suja e tenho a mesma sensação do banheiro, por isso ontem peguei uma bucha velha de lavar louça e esfreguei o chão (do banheiro também). Depois passei o pano. Tenho certeza que esse não é o jeito mais usado e recomendado pelos americanos, mas entrei nesse ramo de dona-de-casa a (é a ou há? fiquei em dúvida :P) pouquíssimo tempo. O armário da cozinha é velho também e mesmo limpando eu acho que ele solta poeira. hahaha Não coloco nada na parte inferior nem nas gavetas dele.  Por aqui, até o jeito de lavar louças é diferente. A maioria tem uma máquina pra fazer isso, mas quem não tem utiliza o método da imersão (que é tampar uma pia, colocar o detergente e todas as louças, depois retiram uma a uma e terminam de lavar na pia ao lado). Agora que começamos a utilizar essa tática, mas desenvolvi uma alergia ao detergente e não estou podendo lavar louças. O Jr ficou com essa tarefa, o problema é que ele não tem muito tempo. Já contei pra vocês que não tem máquina de lavar e secar roupas dentro do apartamento, então temos que ir lá fora e colocar. É chato, ainda mais que elas só funcionam com moedas de 0,25 centavos. Eu queria mudar de apartamento, poderia ser até um menor, mas que fosse mais novo, na mesma vizinhança e tivesse as coisas pra facilitar a vida de dona de casa (triturador de alimentos, máquinas de lavar louças, lavar roupas e de secar). Já andei pesquisando no site da universidade mas só tem disponíveis, por enquanto, apartamentos maiores, mais longe e, consequentemente, mais caros. Enquanto não compramos um carro ficamos por aqui, vale pela localização.