Curiosidades – universidade nos EUA

A pergunta que mais me fazem é: tu consegue entender tudo que o professor fala? Não. não entendo 100% do que eles falam, mas diria que comecei o semestre entendendo 75% e agora já entendo 90% do que é dito em sala de aula. Por causa desse não entendimento, perdi 3 tarefas importantes e tive que me virar pra conseguir pontos extras.

Outra curiosidade é sobre os alunos/colegas de classe. Como aqui a gente não cursa bloco fechado, pago matéria com várias pessoas diferentes. Algumas, só tenho uma aula em comum, então fica difícil estabelecer um relação de amizade com uma pessoa que você vê uma vez na semana. Além disso, as turmas tem uns 50 alunos, o que dificulta o entrosamento. Na minha aula de inglês, com uma turma bem menor, a gente consegue se relacionar melhor. Me perguntam também sobre amigos americanos, se eu falo muito com eles, se são diferentes dos internacionais. A verdade é que acho que não tem muita diferença, mas não sei por qual motivo não me aproximei muito deles ainda. Coincidentemente, sentei perto de uma menina do Vietnam e viramos amigas. Numa aula não falo com ninguém e percebo que muitas pessoas dessa minha aula não se relacionam também.

Aluno é aluno em qualquer lugar, então sempre vai ter aquele que pesca, aquele que dorme, um outro que conversa demais… é a mesma coisa aqui. Eu acho que aqui a relação aluno-professor tem uma distância maior, apesar de achá-los bem mais prestativos do que os que tive na faculdade no Brasil. Eles têm horários designados apenas para ajudar alunos e isso é muito bom. Mesmo assim, acho que os alunos aqui não se importam muito com o professor. Tenho uma aula às 8h da manhã que muuuuita gente dorme, outras ficam com fone de ouvido ouvindo música (mesmo o professor explicando no plano de curso que é proibido o uso do celular), outras assistem vídeo na maior cara de pau e não colocam fone e uma mínima parcela presta atenção de verdade. Eu sento bem na frente e ficava me perguntando porquê o professor dava aula olhando só pra mim e pra umas duas ou três pessoas do lado, aí um dia desses eu olhei pra trás e vi o que acabei de descrever.

Uma diferença aqui são as tarefas de casa. Sim, temos muita! E não é coisa de ensino médio ou infantil. Independente do seu ano na faculdade você vai ter sempre tarefa. Umas matérias têm mais que as outras, mas todas tem. E tudo vale ponto pra sua nota final. Aqui você não faz só 4 provas, faz a média e pronto, tem sua nota. A gente faz tarefa de casa, quiz (mini provas) e provas. Apesar de não estar acostumada com isso eu acho que é muito bom, assim a gente não vicia em estudar só em época de provas. Além disso, tem matérias que só tem duas provas, outras que tem quatro + final, outras que tem quatro mas não exigem final, então tá sempre tendo prova de alguma matéria.

Minha universidade promove vários eventos e workshops pra ajudar tanto a fazer amizades quanto entrar no espírito acadêmico. Acho legal, mas não gosto de forçar amizade. hahaha

Como ingressar na universidade nos EUA.

Há tempos queria fazer esse post, mas fiquei enrolando. Muita gente tá me perguntando sobre universidade então decidi colocá-lo no ar. Vou dar uma ideia geral de como fazer pra ingressar na universidade aqui, mas algumas delas tem pré requisitos que outras não tem então é sempre bom checar o site da universidade que você queira. O bom daqui é que eles disponibilizam todas as informações nos seus sites e ajuda muito! Praticamente todas as universidades aqui requerem uma prova chamada SAT. Bom, o SAT é o exame que as universidades americanas usam para avaliar o desempenho de cada estudante para aceitá-lo ou não como universitário. É parecido com o ENEM aí do Brasil. Primeiro nos increvemos para a prova e podemos escolher até 4 faculdades para eles enviarem os seus resultados (scores), depois fazemos a inscrição na universidade que queremos (site da universidade) e eles analisam os scores do SAT, do TOEFL (prova apenas de inglês para estrangeiros que não têm inglês como língua primária),o desempenho escolar, carta de recomendação, essas coisas. Têm dois tipos de SAT: o geral e o subject. O geral contém uma redação e 6 sessões para serem resolvidas em 25 minutos cada, 2 sessões de 20 minutos cada e uma sessão de apenas 10 minutos. Ou seja, assim como o TOEFL, o maior desafio do SAT é o tempo. As questões não são muito difícieis, mas lembre-se que  na maioria das vezes você vai ter menos de 2 minutos pra cada. Então minha dica é: quando for estudar para o TOEFL e para o SAT é muito importante que você faça isso de acordo com o tempo que você vai ter no dia da prova, ou seja, cronometre o tempo. O SAT subject testa o conhecimento específico de alguma matéria, a minha universidade não pedia, então não fiz e não sei muito a respeito. Me preparei para a prova do SAT com um livro chamado The official SAT study guide, se não me engano é o que eles recomendam no site. Não foi caro, foi uns $30 na época (quase dois anos atrás). No site eles também disponibilizam algumas questões, mas não são muitas, então é melhor comprar o material mesmo. Pro TOEFL só treinei com material grátis do próprio site, não me preparei muito pra falar a verdade, então meu score não foi lá essas coisas, mas deu pra ser aceita. hahaha Tanto o TOEFL quanto o SAT podem ser feitos no Brasil, parece óbvio mas muita gente não sabe. Entrei em contato com o meu colégio pedindo pra traduzirem o meu histórico e eles se encarregaram disso, não fui eu que fiz nada, mas se não me engano a secretaria de educação da minha cidade que ficou responsável por fazer isso. Quando os documentos ficaram prontos, pedi pra colocarem no envelope da escola, selado e tudo, mas quem enviou pra universidade foi minha mãe e não o colégio. Nunca vi esses documentos, foram direto pra universidade. Lá, alunos internacionais são muito bem recebidos e eles estimulam esse mix de estrangeiros com nativos. Não precisei de carta de recomendação. Precisei do extrato bancário de quem ia pagar minha faculdade (no caso a mamãe) tanto pra ser aceita quanto pra eles emitirem o I20 (tive que enviar duas vezes). Infelizmente, o valor da tuition para estudantes internacionais é bem mais cara do que para americanos. Algumas universidades não aceitam que o pagamento seja dividido, ou seja, tem que pagar o ano todo de uma vez. Outras, como a minha, deixam você mais a vontade pra pagar. O pagamento pode ser feito também por semestre ou em 3 prestações em cada semestre. Como falei antes, isso depende. Alunos internacionais geralmente não conseguem bolsas e devem provar que tem dinheiro pra pagar pelo menos o primeiro ano de faculdade. Com o nosso visto, podemos trabalhar até 20h na universidade (além de estudar, claro) no primeiro ano e a partir do segundo ano podemos pedir uma permissão pra fazer estágio fora do campus. No meu primeiro ano optei por só estudar, me acostumar com a rotina de estudos e aprimorar bem o inglês. Porém, penso sim em fazer estágio a partir do próximo ano. Espero ter respondido algumas dúvidas, qualquer coisa é só perguntar que tô sempre aqui. :)

Universidade nos EUA – dúvidas

Uma prima querendo saber das novidades por aqui me fez várias perguntas sobre a universidade, decidi transformar nossa conversa em post, assim posso ajudar a matar a curiosidade de outros também, né? hahaha

As primeiras coisas que ela perguntou foram se os colegas de turma eram legais, se eu sofria bullying e se tinha muito estrangeiro na sala. Bom, o povo é super gente boa, mas eu não estou amiga de ninguém. Aliás, nem sei como alguém consegue fazer amizade em uma semana. Inclusive tenho uma aula que ajuda na transição colégio-faculdade em que o instrutor falou que se você não ficou próximo de ninguém na primeira semana o seu semestre vai ser ruim. Eu não acredito muito nisso… Não sofro bullying e eu juro que tinha medo disso. Ainda tá muito no comecinho das aulas, mas acho que não vou ter esse tipo de problema. Tem muitos estrangeiros na universidade, mas na maioria das aulas predomina americanos. A exceção é na aula de inglês, que os americanos não precisam e por isso a turma é formada apenas com estudantes de outros países.

Outra coisa que falamos foi sobre o horário das aulas, se eu passava o dia na universidade, se tinha aula todo dia, essas coisas. Tenho aula todos os dias, mas aqui não é bloco fechado, o sistema é por crédito. Você que escolhe quais matérias quer cursar, mas tem algumas obrigatórias no curso, claro. Como nesse primeiro semestre a gente não tem muita noção das coisas nossos orientadores que escolhem o que vamos cursar. Caso tenha alguma matéria que você não queira você pode tirar ela do seu horário ou trocar por outra. Muita gente passa o dia todo na universidade, mas eu não (pelo menos por enquanto). Os intervalos entre uma aula e outra são bem grandes, então vou pra casa. Só dia de quarta feira que tenho mais aulas e fico até 14h lá. Hoje, por exemplo, tive aula às 11h e só vou ter outra 17:30. Percebi que dia de sexta a universidade fica vazia!! Não sei se é porque poucas aulas são ofertadas na sexta ou se os alunos que escolhe de segunda a quinta.

Sobre os livros eu falei um pouco no post anterior, mas vou falar de novo. Somos obrigados a ter os livros de todas as matérias que estamos cursando. Alguns tem versão “ebook“, mas a maioria não. Uma coisa interessante que existe aqui é o aluguel de livros. É super comum você alugar os livros daquele semestre e depois devolver, vários sites fazem isso e a bookstore da universidade também. Temos tarefas de casa toda semana de todas as matérias e temos que nos preparar previamente para as aulas. Por isso, eles disponibilizam o calendário do semestre inteiro e você vai se preparando. A questão das provas achei meio confusa, algumas matérias tenho que fazer 4 provas + final, outra só 2+final, tem uma que nem preciso do final e em outras tem provas online.

Uma coisa que achei interessante é que todo mundo usa mochila aqui, inclusive professores. Alguns usam até de carrinho!! Coisa que eu só tinha visto no colégio infantil em Teresina. hahaha

Vida acadêmica – 3 dias de orientação

A novidade que falei no post passado é que agora sou F1 também!!! Assim como o meu marido, agora sou estudante! Já falei em posts passados que não terminei a faculdade no Brasil e por isso resolvi tentar estudar aqui. Estou muuuito feliz que deu certo e minhas aulas começarão semana que vem!!!

Antes das aulas começarem tivemos 3 dias de orientação. Elas são muito esclarecedoras e é muito bom pra gente ir “se enturmando”. Durante os três dias passamos o dia inteiro na universidade e, por isso, tivemos café da manhã, lanche e almoço. Minhas expectativas foram superadas!!! Não vi ovo nenhum dia por lá! kkkkkk

A primeira coisa que fizemos quando chegamos foi tirar a foto para o cartão da universidade. AInda bem que minhas foto ficou boa. hahahahaha No nosso primeiro encontro recebemos a “visita” do reitor, que aproveitou pra falar da triste situação de Ferguson (fica ao lado da universidade) e nos tranquilizar sobre a segurança dentro do campus. Depois nos dividiram em pequenos grupos e para nos conhecermos melhor fizeram algumas brincadeiras. Em seguida, deixamos nossos documentos para eles checarem se estavam em ordem. O almoço foi “servido” e logo em seguida tivemos provas de inglês. Sou muito ruim em fazer redação em inglês, tô torcendo pra me colocarem numa turma de aulas de inglês com foco nisso. Durante o dia falei com poucas pessoas, mas já fiquei mais colega de uma chinesa e uma coreana.

No segundo dia cheguei mais cedo do que no primeiro e tive bastante tempo pro café da manhã. Frutas (por incrível que pareça) deliciosas e bagels fresquinhos!!! É só passar um creamcheese e fica delícia! O dia foi mais chato do que o primeiro porquê envolvia palestras sobre plano de saúde, segurança e bem estar (cuidado com as calorias!! kkkk), pagamentos, essas coisas… Também falaram como “fazer” amigos americanos mas de uma maneira divertida. Tivemos também uma atividade para aprendermos como lidar com as diferenças culturais. Preparam também várias palestras sobre tópicos úteis pra gente aqui nos EUA. Escolhi o ‘economizando dinheiro’ e ‘conseguindo um trabalho’. Achei que os dois valeram a pena, apesar de já saber algumas coisas que foram ditas no primeiro por causa do tempo que moro aqui. Na parte da tarde fizemos um tour pela universidade, andamos duas horas sem parar e mesmo assim não conhecemos tudo. Foi bem cansativo, mas pelo menos já sei onde fica o prédio do meu curso.

Durante o terceiro dia tivemos contato com os novos alunos americanos, inclusive com os pais deles. Achei muito interessante que vários pais estavam acompanhando seus filhos e tirando fotos de tudo. Também tivemos encontros com pessoas do nosso departamento, que nos explicaram um pouco de como funcionam as coisas por lá, estágios, fraternidades, etc. Achei o dia mais chato, mas não posso negar que foram bem úteis esses três dias. Ontem ainda tive que ir falar com minha orientadora para fechar meu horário do semestre. Aproveitei ontem também pra pegar a permissão pra estacionar. Por sinal, em várias universidades essa permissão é paga, já na minha conseguimos sem pagar nada a mais. Uma coisa bem interessante que achei foi poder usar o site da livraria da universidade pra pesquisar preços e livros e fazer minha lista por lá. Como as aulas começam semana que vem não dá tempo pedir online, o jeito é pagar mais caro e comprar na universidade mesmo. Aqui também tem a possibilidade de alugar o livro, mas dos que vi o preço do aluguel era o mesmo de comprar usado, então preferi comprar mesmo. Já recebi um email avisando que os livros já estão no ponto pra eu pegar e hoje mesmo vou buscar. Pelo que os professores escreveram no “aluno online” a gente já tem que ter lido alguma coisa mesmo no primeiro dia de aula. Deus me ajude!