Viajando para os EUA sem falar inglês

Como se não bastasse tudo de bom que aconteceu aqui em STL durante o mês de novembro ainda ganhamos as passagens para passar o Natal em família! Foi muita correria depois que soube pra organizar tudo tão rapidinho! Voltando à saga da mamãe… Bom, como já falei em outros posts ela veio sozinha e não fala nada de inglês. Além do beautiful (que ela fala do mesmo jeito que escreve kkkk) e I love you! Pra facilitar eu e minha irmã fizemos uma lista de palavras e expressões que ela pudesse encontrar pelo aeroporto e que por não saber o significado pudesse ficar perdida. Traduzimos do português para o inglês expressões como portão de embarque, esteira para pegar as malas, essas coisas. Também escrevi algo como “por favor, escreva aqui o número do meu portão”, porque se eu colocasse a pergunta ela não ia entender a resposta. Chegando na imigração ela disse que não sabia falar inglês mas nem chamaram intérprete. O próprio oficial (policial? como é o nome? kkkk) que estava cuidando da entrada dela resolveu. Não perguntou quanto tinha levado nem quantos dias ia ficar, pediu logo pra colocar a digital e só perguntou pra onde ela ia. Deu pra perceber que foi bem tranquilo, né? Ela disse que só ficou apreensiva na hora de pegar aquele trem (que tem nos aeroportos maiores) que leva pro portão de embarque, porque não sabia o sentido e não sabia ler o que estava escrito, perguntou para uma pessoa que falava espanhol e se resolveu. Todo mundo achava que ia ser a maior complicação essa vinda dela sozinha, mas foi bem mais tranquila do que imaginávamos. Eu expliquei o passo a passo do que ia acontecer, quando ela ia ter que pegar as malas e pra onde ela teria que ir em cada lugar. Também achei na internet o formulário azul que a gente preenche no avião e pedi pra minha irmã imprimir e responder com ela porque como ela veio de Delta talvez só entregassem em inglês. Uma coisa que ela reclamou foi que as comissárias de bordo só falavam inglês e não fizeram questão que ela entendesse nem o que estavam servindo nas refeições. Sorte que a pessoa ao lado ajudou.

Anúncios

Trazendo comidinhas

Acho que já falei aqui que boa parte da minha família é envolvida com o ramo alimentício em Teresina, daí eu ser assim… com uns quilinhos a mais do que deveria. Desde sempre, claro! kkkkk Bom, eu sinto MUITA falta da comida brasileira aqui, não é do arroz e feijão não. É do folhado e enrolado quentinho de queijo da confeitaria da mamãe, da coxinha pegando fogo do restaurante da minha tia/prima, do pastelzinho e canudinho (rabo de tatu) do vovô (para sempre será do vovô), dos toddynhos com cuscuz de arroz, deixa pra lá o resto porquê todo mundo já deve tá salivando. hahahaha Pensando em me agradar, a mamãe resolveu trazer algumas coisas pra eu matar a saudade. Eu falei que produto industrializado ela podia trazer à vontade, contanto que despachasse na mala, mas que não era pra trazer nada “caseiro” porque senão ia dar problema pra ela. E como vocês bem sabem, ela não fala inglês. Aí já viu, né? Mas mãe é mãe, né gente? Quer fazer tuuuudo que pode e mais um pouco, então ela resolveu arriscar! Colocou a massa folhada feita na Doce Vício enrolada num papel alumínio, comprou um isopor que coubesse na mala e jogou lá dentro. Não para por aí. Também colocou no isopor enroladinhos de queijo (meus preferidos) e cajuína feita pelo meu tio (mas eles colocaram em garrafas com rótulo). Como se não bastasse, ainda trouxe canudinhos sem recheio, além de castanha e alguns doces típicos de lá. Mamãe sabe que adoro manga, principalmente as lá de casa e do sítio do vovô. Elas são mais gostosas de verdade! Eu avisei que não podia trazer fruta, que a gente assinava um papelzinho dizendo que não estava trazendo, mas de que adiantou? Ela trouxe mesmo assim! Porém… quando ela finalmente pega as malas dela, tem um policial passeando com um cão farejador que de longe sentiu o cheiro dessas mangas (tô dizendo que as de lá são melhores!). Ela disse que o cachorro foi chegando cada vez mais perto da mala até que encostou na “quina” e o policial perguntou:

Tem comida?

Ela disse: Tem!

– É carne?

– Não.

– É manga? (como ele sabia sem nem abrir a mala? Será que já tinham visto no raio x antes da esteira??? Ou esse cachorro só detecta carne e manga? kkkkk)

– É.

– Pois me acompanhe por favor.

P.s.: Não sei como ela entendeu, só sei que se comunicaram. Talvez misturando português, espanhol e um mínimo de inglês. hahahaha

Foram para uma salinha e lá abriram a mala e retiraram todas as mangas, mas não foram grosseiros nem nada de ruim não. Nessa hora ela pediu uma intérprete porquê queria saber o motivo de não poder trazer as mangas. Disseram que pode ter agrotóxicos, inseticidas, sei lá o quê mais. Mamãe ainda tentou argumentar que era lá de casa e não tinha isso, mas não adiantou nada.

E as outras coisas? Vocês devem estar se perguntando. Bom, abriram TUDO dela e ninguém sabe o motivo mas deixaram ela entrar com tudo que tinha  (exceto as mangas). Mamãe disse que quando abriram o pacote de massa folhada disseram: ah, isso aqui é coisa de sobremesa, pode passar. E pronto! Morri de felicidade com tudo que ela trouxe!!! Como sempre, uma delícia!

De volta!

Após 25 dias intensos e muito felizes estamos de volta! Digo estamos porque a mamãe e minha prima também estão chegando em Teresina. Ontem aconteceu mais uma despedida, emocionada mas feliz. Fiquei olhando para elas no aeroporto até onde pude enxergá-las. Na volta pra casa, dirigi no automático, ou seja, não pensei no caminho, apenas fui. Chorei a volta inteira! Pra completar, quando cheguei vi que em cima da minha cama cada uma tinha deixado uma cartinha, li emocionada. E como a mamãe diz, o amor é melhor presente que a gente pode dar, por isso estou muito feliz! Essa temporada de uma parte da família aqui fez com que eu sentisse o amor que nos une. Mais do que os bens materiais que a mamãe já me deu de Natal (essa mamãe noel está bem adiantada haha) o que eu mais gostei foi a presença e a companhia dela por todos esses dias. Ela cuidou de mim como se eu fosse uma criança ainda e me mimou mais que tudo. Cozinhou, fez vários bolos, conseguimos deixar com inveja até quem estava em Teresina e tinha as comidinhas delícias sempre à disposição (né Liana e Vanessa? Exploraram a vovó! kkkkk). Minha prima, como sempre muito organizada, colocava e tirava todos os dias a mesa para o café da manhã. Era tão bom acordar e sentar à mesa posta, comer o cuscuz quentinho que a mamãe tinha preparado, tomando toddynho que ela tinha trazido e conversar com elas… Esses dias passaram tão rápido que nem sei como foram 25 dias! Tem alguma coisa errada com o relógio. hahahaha Hoje sou só saudades, mas vou escrever vários posts no blog contando sobre a vinda da mamãe sozinha (minha prima chegou depois) sem falar nada de inglês e trazendo comida sem ser industrializada. Também mais dicas de Chicago e sobre nossa viagem durante o Thanksgiving para Nova York. Já que não vou estar em Teresina no Natal, já tive o meu por aqui. Obrigada mamãe e Lóra por trazer dias mais felizes para St Louis! Espero ansiosamente por outras visitas, não só delas, mas da família inteira. :)

Domingo.

Domingo é o dia que dá mais saudade de casa.

Domingo era dia de acordar só na hora de ir almoçar.

De ficar na dúvida em qual restaurante ir e muitas vezes ter amigos do papai ou parte da família compartilhando o momento.

Nosso almoço aos domingos era mais tarde que nos outros dias e sempre com muita comida.

Na maioria das vezes, a gente comia tanto que de noite nem jantava (ou não tinha fome), mas várias vezes encerrávamos a noite de domingo numa pizzaria.

Saudade até daquele vento quente quando saíamos do restaurante.

De ir tomar sorvete de maracaujá com calda de morango de sobremesa.

De ir deixar a vovó em casa depois do nosso tradicional almoço.

Alguns domingos também eram de fazer visitas com a mamãe.

Saudade de chegar em casa tarde no domingo e ela ter acordado porque foi dormir cedo, ficávamos conversando até mais tarde…

De fazer pipoca e tomar coca-cola juntas.

Pra muita gente domingo é um dia triste, mas pra mim sempre foi o preferido.

Atualmente domingo é dia de saudade.

Meu consolo é que os próximos quatro domingos vou ter a mamãe aqui e nos dois últimos uma prima muito querida também.

Estou em countdown.

Quando dei carona para os brasileiros que estavam aqui perguntei se tinha algum lugar que eles queriam passar. Aí eles disseram que queriam ir num lugar pra comprar algumas bebidas pra levar pro hotel. Escolhi meu supermercado preferido (e 24h s2) e quando entramos perguntei: vocês estão com passaporte aí, né? Porque tenho certeza que vão pedir. Só uma pessoa tinha deixado no carro, mas não tinha problema porque os outros estavam com os seus em mãos. Eu e Jr não bebemos, então nunca compramos bebidas e eu não sabia como era o “procedimento”. Na hora de pagar, a caixa perguntou pela identidade, nisso meu amigo mostrou a carteira de motorista do Brasil, mas a senhorinha disse que não era válida. Como eu tava com a minha, resolvi a mostrar. No que ela diz: então você vai ter que pagar. Meu amigo responde: não tem problema e aí me dá o dinheiro. Na hora que terminou de passar tudo ainda tava faltando dinheiro e quando ele ia me dando o resto pra completar a senhorinha disse: você não pode dar o dinheiro pra ela, as câmeras estão vendo. hahahaha Resultado: ele foi pegar o passaporte no carro porque era ele que ia pagar mesmo.

Contando essa história pro casal de amigos brasileiros eles disseram que apresentaram já a carteira de motorista no supermercado do Brasil e aceitaram. Será que varia de lugar pra lugar? So sei que serviu pra eu aprender e já saber quando vier uma visita que goste de umas bebidinhas. hahaha

Encontrando conterrâneos.

Dia desses estava eu sentada com meu notebook na cama e fui mudar de posição, quando mexi o note a tela quebrou por dentro. Não sei como, mas quebrou. E olha que tava em cima da cama. Sim, aí fui levar na loja onde comprei pra saber quanto era o conserto e essa loja fica do lado de um supermercado bem grande e que de vez em quando faço uma paradinha pra lanchar. Resolvi ir lá rapidinho, peguei meu lanche e fui pra “praça de alimentação”, aí quando vou sentando escuto dois brasileiros conversando. Sentei perto deles, mas fiquei caladinha na minha, só escutando. hahahaha Depois chegou mais um casal e eu continuei calada, ninguém nem suspeitava que tinha uma brasileira lá. Passado alguns minutos chega mais um rapaz e começam a falar sobre lojas, compras e começam a se perguntar se ali por perto tem uma loja que eles querem ir. Nessa hora não me aguentei, me meti e falei: olha, aqui não tem mas ali do lado tem. hahaha Depois de um dois minutos conversando esse rapaz pergunta de onde eu sou, ao que eu respondo: Teresina. Ele começa a rir e diz: Não acredito!! Gente, ele é teresinense também (inclusive me aproveitei da boa vontade dele e mandei umas encomendas que tinha aqui pro papai e minha irmã)!!! Nossa, já sinto tanta falta de brasileiros aqui, quase não tenho amigos e encontrar uma pessoa do mesmo lugar que eu? Foi muito bom! Já aproveitei e ofereci carona pro hotel e foi ótimo. Eles vieram fazer um curso e passaram uma semana aqui, então durante o dia ficavam na universidade e de noite iam pra algum lugar e me avisavam. O grupo tinha 17 (ou 18?) pessoas e era super animado, sabe? A maioria do Sul do país e eu adorava o sotaque. hahaha No último dia deles aqui fomos pro outlet juntos, eles alugaram dois carros e levei 4 pessoas comigo, fui de guia. De lá, fomos ao Forest Park, lugar lindo e que eles ainda não conheciam. Como estavam cansados do dia de compras, não foram todos mas quem foi adorou. De noite eles fizeram um amigo oculto para confraternizar e comemorar a viagem. Eu não participei tirando os papeizinhos mas também ganhei presente. Como disse a líder deles, fui como special guest. Eles me agradeceram tanto pelas dicas e disponibilidade aqui mas quem realmente amou fui eu. Nunca voltei pra casa 1h da manhã desde que cheguei, mas quando eles estavam aqui voltei essa hora pra casa. hahahaha No dia que eles foram fiquei triste, mas ao mesmo tempo feliz, pois fiz novos amigos. :)

Essa semana também jantei com um casal de brasileiros, mas não foi por acaso. A Evelyn leu meu blog e marcamos de sair aqui. Pena que o Jr teve que fiscalizar prova e não pôde ir, mas já estamos combinando a próxima saída. Sabe aquele casal fofo? É o caso desse que conheci essa semana. Adoro conhecer pessoas e fiquei super feliz de encontrar mais uma leitora minha.

Talvez quem more em cidades maiores já nem sinta tanta empolgação assim ao ver brasileiros, mas eu vibro cada vez que escuto alguém falando o nosso português.

Other day I was sitting with my laptop on the bed and suddenly broken. There is a computer shop near Target and I went there to know how much it costs to repair my laptop. Once a while I go there to have a snack . I decided to go Target quickly , grabbed my pizza and went to ” food court ” , then when I was sitting I heard two brazilians talking . I sat near them , but I was quiet , just listening. hahahaha Then came another couple and I kept silent , no one even suspected it has a Brazilian there. Few minutes later, a guy comes over and start talking about shopping, shopping and begin to wonder if there is a store close by that they want to go . At that time I did not put up , got myself and said, look, this has the side but there is . hahaha After a two minutes talking with them this guy asks where I cam from, and I said : Teresina . He starts laughing and says,I don’t believe it ! Folks, he is also from Teresina ! ! I have missed Brazilians here, barely have friends and find a person from the same small city of mine ? It was very good! I offered a ride to the hotel and it was great . They came to do a course and spent a week here, so during the day they were in college and at night they went to restaurants and gave me a call. The group had 17 (or 18 ? ) people and were very cheerful , you know ? Most of them were from the south and I loved the accent. hahaha On their last day here we went to outlet together, they rented two cars and I guide . From there we went to Forest Park , a beautiful place and they still did not know . The were tired of the shopping day , but who went with me to Forest Park loved . At night they did a secret Santa to socialize and celebrate the journey . I did not attend the taking ballots but I received gifts too . As their leader said , I was as special guest . They thanked me so much for the tips and availability here but who really loved was me. Never came home 1a.m. since I arrived , but when they were here I back home that time . hahahaha The day they leave was sad, but at the same time I was happy because I made new friends . :)

This week I also dined with a Brazilian couple , but it was not by chance. Evelyn read my blog and we set out here . Too bad the Jr had to supervise the test and could not go , but we are combining the next time. You know that cute couple ? It is the case that I met this week. I love meeting people and I was very happy to find another reader of my blog.

Maybe those who live in larger cities do not even feel so much excitement to see Brazilians but I vibrate every time I hear someone talking about our Portuguese .

Ainda tenho cara de 16?

Sábado passado fui ao shopping e aí quando já tava indo embora um policial me para.

Policial: Moça, quantos anos você tem?

Eu: 21.

Policial: posso ver sua carteira de identidde?

Eu: Sim, claro!

Policial olha a carteira e me despacha: Obrigado!

Não sei porque, mas já vi em shoppings e outlets um aviso que diz que com menos da idade “x” você tem que andar acompanhado pelo pai ou responsável que seja maior de 21. No caso desse shopping a idade é 16. Eu estava sozinha e ele me parou porque achava que eu tinha 16? Me senti nos tempos do colégio. hahahaha

Nós não bebemos, mas quando saimos com os amigos os garçons sempre pedem pela identidade deles. Eles já me contaram que pediram até para a avó de um deles, acreditam? No supermercado também sempre vejo a atendente perguntando pela carteira de identidade. Pelo visto aqui eles levam a sério mesmo a proibição de bebida para menores. É claro que, como em todo lugar, tem sempre uns com carteira falsa pra enganar, né? hahahaha

Propaganda legal.

Amei essa propaganda!! Não é comum a gente no Brasil ver esse tipo de propaganda, mas aqui pelo que percebi é muitoooo utilizada! Na hora que começou eu achei que tivesse apertado sem querer no celular e a Siri tava falando. hahahaha

Essa propaganda tá passando no intervalo de The Voice no aplicativo do ipad. Vocês assistem?? Essa temporada tá óóóótima!!! Ainda tô em dúvida se sou #teamblake ou #teamadam ou #teamceelo (acho ele uma graça!).

Quando eu trabalhei num Atelier em Teresina li sobre atendimento. Como atender bem uma pessoa. Uma das coisas que me lembro bem era que na apostila tinha: elogie sinceramente algo que você gostou no cliente. Aí que toda vez que entrava uma cliente eu analisava discretamente e tentava achar alguma coisa pra elogiar, quando eu achava eu falava na hora, mas quando não eu ficava calada mesmo. Aí que aqui em St Louis (pelo menos) em todo lugar que entro a pessoa me analisa não discretamente dos pés a cabeça e faz um elogio. No começo até pensei que era sinceridade, inclusive fiz um post. Esse povo é tão bem treinado que parece de verdade! Ou é verdade mesmo? Sei lá… Ontem entrei numa loja de bolsas e a primeira coisa que a atendente falou depois de 5 segundos olhando da cabeça aos pés foi: adorei a COR da sua bolsa. Ela não adorou o modelo, ela adorou a COR. Só eu acho estranho? Ou você gosta ou não, né não?

Outra coisa é que tooooodo mundo deseja um bom dia. Nessa mesma loja até as vendedoras que não estavam me atendendo me desejaram. E eu respondi “thank you” “you too” umas 6 milhões de vezes.

Quando eu entrava numa loja no Brasil não gostava da vendedora no meu pé, sabe? Aqui é só você dizer que tá só olhando que te deixam em paz. Acho o máximo! Mesmo quando eu falava isso em Teresina a pessoa ficava me seguindo pela loja, eu ia logo embora. hahahaha

O outono tá chegando e aquele ventinho fresco da praia também! Que seja só fresquinho, não precisa congelar. :)

“Brabeza” define.

Na segunda feira eu tinha um milhão e meio de coisas pra resolver. Sério! Há tempos não tinha tanta coisa pra fazer no mesmo dia e com prazo! Aí que quando pego o carro pra sair uma luzinha acende no painel. Uma luzinha laranja. E uma luzinha laranja significa que algo não está legal e precisa ser ajeitado, ou seja, manutenção. Aí eu penso: porque logo hoje? Porque não ontem que foi domingo e eu tinha todo o tempo do mundo pra resolver????  Fui em um lugar mais perto de casa mas tinha que ir em um mais longe também, só que tava com medo e resolvi voltar pra casa e pesquisar o que significava aquela luzinha no painel do carro. Chegando em casa, descobri que era apenas avisando que os pneus estavam precisando ser calibrados. Ufa!!! Eu nunca tive carro que indicasse isso, era o carinha do posto que falava. hahaha Depois lembrei de uma vez que aluguei um carro e quando fui devolver apareceu o mesmo símbolo, mas tinha escrito “low tires”, mas eu era recém – chegada e não sabia o que significava. Resultado: devolvi o carro e deixei o abacaxi pro outro. hahahaha (muito feio, eu sei). Sim, voltando ao meu carro… fomos ao posto pertinho de casa e a maquininha de lá dizia que aceitava moedas ou cartão pra poder usá-la. Moeda, vocês já sabem a dificuldade né? E o cartão quem disse que aceitaram?? A máquina estava com problema. Ok, trocamos moedas e voltamos.  A pressão recomendada pro pneu do nosso carro é 30, mas só aparecia 32 na maquininha… Jr encheu mesmo assim, mas ficou MUITO MUITO MUITO cheio. Sorte que tinha um carinha esperando pra usar a máquina e o Jr perguntou pra ele porque a máquina não ia pro 30. Ele falou que o mínimo dessa era 32, aí ensinou o Jr a “esvaziar” o pneu com uma moeda e emprestou um barômetro pro Jr deixar na medida que era indicada. A braba aqui não sabia nem da luzinha no painel pra esse tipo de coisa nem do barômetro pra auxiliar… Vivendo e aprendendo. :D